Logo: O Caderno de Aimé-Adrien Taunay - Histórias, descobertas e percursos
realização: Logo: IHF - Instituto Hercules Florence
apoio: Logo: Museu Paulista
Logo: O Caderno de Aimé-Adrien Taunay - Histórias, descobertas e percursos

O CADERNO

Itinerários

O caminho percorrido por Aimé-Adrien Taunay se estendeu desde a cidade do Rio de Janeiro, passando por povoações e vilas costeiras ao redor da Baía da Guanabara: Praia Grande (atual Niterói), São Gonçalo, Itaboraí, seguindo caminhos com destino à região de Cantagalo, que passavam pelos vales dos rios Macacu e Caceribu, adentrando parte da Serra dos Órgãos (nome local para este trecho da Serra do Mar) em Cachoeiras de Macacu e na colônia suíça de Nova Friburgo, uma das primeiras experiências de colonização estrangeira no centro-sul.

Além disso o viajante tomou conhecimento de outras localidades que para se alcançar era necessário cruzar as paragens de Morro Queimado, como Aldeia da Pedra (atual Itaocara) e Baixo Macaé (atual Casimiro de Abreu), que se encontram nas regiões Noroeste e Central do território fluminense. A paisagem vislumbrada por Taunay ao longo dessa viagem foi a da Mata Atlântica com suas variantes locais de Floresta Tropical Úmida (Ombrófila Densa, a Ombrófila Mista e a Estacional Semidecidual), em seu estado de “mata virgem” e, em algumas partes, substituída por plantações (cana-de-açúcar, café e gêneros de subsistência).

realização:
IHF Museu Paulista
parceria:
USP IFUSP - Instituto de Física da USP NAP - FAEPH